web space | free hosting | Business Hosting Services | Free Website Submission | shopping cart | php hosting

ATAQUE À AERÓDROMOS

 

            Na manhã do dia 22 de junho de 1941, sem qualquer declaração formal de guerra, centenas de bombardeiros e caça-bombardeiros alemães atacaram os aeródromos da União Soviética. Stalin havia ignorado todas as evidências de que um ataque alemão ocorreria, e suas Forças Armadas estavam agora pagando alto preço por essa postura. As unidades da Força Aérea Soviética, localizadas no oeste junto à fronteira, receberam ordem expressas de não realizarem qualquer ação ou movimento que pudesse provocar os alemães. Não havia preocupação de se camuflar as bases nem de se dispersar as aeronaves, muito pelo contrário, essas estavam estacionadas nos pátios, de tal forma que pareciam prontas a participar de uma solenidade militar. A História Militar soviética diz: “Durante os primeiros dias de guerra, o inimigo lançou ataques maciços a 66 aeródromos da região de fronteira, e em particular, naqueles em que os mais modernos modelos de aviões estavam baseados. O resultado desses ataques e dos violentos combates aéreos foi que até o meio-dia naquela manhã, cerca de 1.200 aeronaves haviam sido destruídas, das quais 800 no solo”. Ao pôr-do-sol, a Força Aérea Soviética perderia mais de 1.800 aviões. Esta foi a maior perda imposta por uma força aérea à outra, nesse curtíssimo espaço de tempo.

 

Foto de um aeródromo russo na Lituânia, após ser atacado pela Luftwaffe.

 

            Cinco meses mais tarde, porta-aviões japoneses atacaram os aeródromos americanos em Oahu (Havaí), enquanto outras aeronaves atingiam os navios de guerra atracados em Pearl Harbour. Naquela manhã de 7 de dezembro de 1941, eles destruíram um total de 163 aeronaves no solo.

 

Pintura mostrando o ataque japonês à Pearl Harbour

 

            Mais recentemente, no dia 5 de junho de 1967, aeronaves israelenses atacaram  25 aeródromos egípcios, sírios e jordanianos, destruindo cerca de 300 aeronaves, também no solo.

 

Imagem aérea de aeródromos egípcios após ser atacado por Mirages III da Força Aérea de Israel.

 

            Esses três exemplos foram talvez os mais bem sucedidos ataques planejados contra aeródromos realizados em um único dia. Entretanto, esse tipo do alvo não é sempre tão fácil de se atacar, como parece.

 

            Durante a Batalha da Inglaterra, a Luftwaffe montou uma intensa ofensiva, que durou 3 ½ semanas, contra os aeródromos do Fighter Command localizados no sudeste da ilha. Nos dias em que as condições meteorológicas permitiam, dois ou três aeródromos eram atacados. Embora o esforço despendido tenha sido enorme, esses ataques pouco ou quase nada atrapalham as operações; no máximo, interrompiam as atividades aéreas por algumas horas. Além disso, não mais do que 20 caças monomotores das unidade de elite da Royal Air Force foram destruídos no solo.

 

Imagem espetacular tirada por um caça alemão durante a Batalha da Inglaterra

no dia 18 de agosto de 1940, onde observar-se bem um Spitfire

sendo atacado quando estacionado em seu abrigo.

 

Na manhã do dia 1º de janeiro de 1945, a Luftwaffe, numa tentativa de repetir o sucesso alcançado contra a União Soviética, lançou cerca de 900 aviões contra os aeródromos aliados localizados na França, Holanda e Bélgica. Os aliados perderam entre 174 e 250 aviões (os dados dependem das fontes) e cerca de 20 pilotos. Não existem dados oficiais alemães, mas tudo leva a crer que foram perdidas cerca de 300 aeronaves, ou seja, 30% da força de ataque. Esta foi a maior perda numérica, bem como a maior perda proporcional sofrida por uma força de ataque em um único dia. Em termos de perdas humanas então, este foi o maior desastre sofrido pela Luftwaffe em toda a guerra, pois teve 237 pilotos mortos, perdidos ou capturados e 18 que retornaram gravemente feridos. Algumas unidades alemãs nunca mais recuperaram seus efetivos após esse dia.

 

            O fato comum entre os três ataques bem sucedidos a aeródromos é que todos foram realizados sem que houvesse uma declaração formal de guerra (se é que guerra tem que ter declaração formal!!!), o que é uma enorme vantagem.

 

            Durante a Batalha da Inglaterra, a Luftwaffe viu-se diante de um inimigo preparado e com um sistema de alerta antecipado bem integrado e eficiente. Os caças ingleses conseguiam quase sempre decolar e os aeródromos ficavam vazios. As aeronaves incapazes de voar eram colocadas em abrigos individuais de concreto ou dispersas ao longo do aeródromo. Em ambos os casos, cada aeronave necessita de um ataque individual e específico, ou seja, os atacantes corriam muito risco ao terem que realizar diversas passagens.

 

            No caso do ataque alemão, na manhã do Ano Novo, boa parte das unidades envolvidas era de defesa do Reich, com pouca ou nenhuma experiência em ataque ao solo. Muitos pilotos abriram fogo a muita distância do alvo, sem conseguir atingi-los, ou então chegavam tão perto que eram abatidos pela defesa antiaérea – para se realizar ataques efetivos a aeródromos bem defendidos as tripulações têm que ser especialmente treinadas.

 

            Até o fim dos anos 60, o termo “ataque a aeródromos” significou “atacar aeronaves no chão”, mas isso agora mudou. Dois fatores influenciaram esta mudança. O primeiro, foi o bem sucedido ataque israelense, em 1967, que permitiu a vitória contra forças aéreas inimigas numérica e tecnicamente superiores; e o segundo foi a nova geração de aeronaves de combate com múltiplas funções, como os McDonnell Douglas F-4 Phanton, que eram muito mais caras do que suas predecessoras.

 

Desenho de um Phanton F-4E da Força Aérea de Israel

 

            Para reduzir os riscos dessas ameaças, a maioria das forças aéreas do mundo desenvolveu intensos programas de construção de abrigos para aviões (HAS – Hardened Aircraft Shelters) nas suas bases aéreas. Esses abrigos são alvos difíceis de serem atingidos em ataques aéreos. Cada abrigo é considerado um alvo individual e requer acerto direto ou no máximo pequeno erro, para que a aeronave lá instalada seja destruída. Além do mais, durante um ataque não se sabe qual dos abrigos contém alguma aeronave.


 

 

 

Um HAS – Hardened Aircraft Shelters do Iraque

 

Detalhe interno de um HAS – Hardened Aircraft Shelters do Iraque

           

Como as aeronaves protegidas nos HAS são realmente menos vulneráveis aos ataques aéreos, a ênfase mudou para ataques às pistas de pouso ou de rolamento, de modo a impedir que aeronaves decolem. Armamentos especiais foram desenvolvidos, como a Matra Durandal e o Sistema JP223 da Hunting Industries, que foram otimizados para ataques a baixa altura em bombardeio rasante.

 

            A Durandal pesa 185 kg. O caça-bombardeiro lançará seis ou oito em rápida sucessão, enquanto voa rasante por sobre a pista de pouso. Logo após serem lançadas, um pequeno pára-quedas montado na cauda de cada bomba se abrirá, de modo à desacelerá-la, apontando-a para o chão. Em seguida, um pequeno foguete é acionado, elevando a velocidade da bomba até 260 m/s, velocidade suficiente para fazê-la penetrar no concreto cerca de 40 cm. Só então é que a carga explosiva de 15 kg é detonada. A força da explosão confinada é suficiente para “estilhaçar” o concreto em uma área bastante grande, com um movimento de baixo para cima. Se uma aeronave passar por cima da área atingida, simplesmente haverá um colapso total do solo. Os reparos só são possíveis se toda a área “estilhaçada” foi removida antes de uma nova concretagem.

 

            O Sistema JP223 faz o mesmo estrago que Durandal, mas de um modo diferente. O Panavia Tornado IDS carrega dois recipientes sob a fuselagem, com um total de 60 bombas, cada um pesando 26 kg. Quando a aeronave passa baixo sobre a pista, as bombas são lançadas do recipientes em rápida seqüência. Um pára-quedas abre de modo a desacelerar as bombas e apontá-las para o chão. Quando tocam o solo, uma carga explode de modo a fazer um furo no concreto. Fração de segundo depois, uma outra carga explode e insere o explosivo principal nesse buraco. Somente quando a carga é depositada, é que a bomba explode. Os buracos causados são menores que os da Durandal, mas em número muito maior. E, para completar o serviço e atrapalhar aqueles que vão reparar os danos, a JP223 ainda lança 430 pequenas minas, cada uma pesando 2,45 kg., com capacidade de destruir tratores e infligir muitas baixas humanas.

 

            O primeiro conflito a ter ataques aos HAS foi a recente Guerra do Golfo. Não precisa-se ser um admirador de Saddam Hussein para apreciar o magnífico trabalho realizado pelo Iraque, de modo a prover sua força aérea com instalações espetaculares. As bases aéreas estavam espalhadas por muitos quilômetros quadrados. Algumas possuíam até seis pistas operacionais e imensas aéreas de estacionamento de aeronaves, bem como longas pistas de táxi. Facilidades de combustível e de armamento eram duplicadas e enterradas sob camadas de concreto. Além do mais, cada uma dessas bases possuía uma poderosa artilharia antiaérea e sistema de mísseis terra-ar.

 

            Para se destruir uma dessas superbases, era necessário que pelo menos uns 20 Tornados a atacassem, e mesmo assim ter-se-ia que atingir toda superfície da base, de modo a garantir sua total inoperância. Durante o conflito, algumas unidades da USAF estavam equipadas com as bombas Durandal, mas nunca foram utilizadas. Esse serviço ficou a cargo das unidades de Tornado da RAF, que utilizaram as JP223 durante a fase inicial do conflito.

 

            Na primeira noite de guerra, a RAF enviou quatro esquadrilhas de Tornado para atacar os aeródromos de Al Asad, Al Taqaddum e Mudaysis; e duas esquadrilhas para atacar Tallil. Os ataques foram realizados a 600 nós (1.112 km/h) e a 200 pés de altura (60m). Com exceção do ataque a Al Asad, os Tornado faziam parte de uma força de ataque conjunta com a USAF e a US Navy. As aeronaves americanas fizeram inicialmente um bombardeio nivelado e os Tornado atacaram depois com suas JP223. As defesas iraquianas já estavam em alerta quando os Tornado chegaram. Foram recebidos com uma barragem de fogo antiaérea iraquiana (57 mm e 23 mm).

 

            Nas noites seguintes, os Tornado realizaram mais 21 ataques aos aeródromos iraquianos, utilizando um total de 106 JP223. Nenhuma aeronave foi perdida para o fogo antiaéreo dos aeródromos. Muito foi dito sobre as perdas dos Tornado da RAF durante a Guerra do Golfo, mas, na realidade, apenas um total de seis foram perdidas, mas nenhuma durante ataque a aeródromos. 

 

            Alguns problemas aconteceram com o sistema JP223 durante a Guerra do Golfo, devido principalmente à maneira de construir pistas de decolagem e de rolamento no Iraque. Essas bombas eram feitas para atacarem pistas totalmente pavimentadas, mas no Iraque, a subcamada delas é feita de areia compactada, o que faz com essa camada absorva boa parte da força de explosão, reduzindo o efeito final. As crateras resultantes são muitíssimo menores do que as previstas e mais fáceis de serem reparadas.

            Quando as Forças de Coalizão atacavam os aeródromos fora do cinturão principal de mísseis iraquianos, não havia necessidade de ataques à baixa altitude. Na segunda noite de guerra, os General Dynamics F-111 atacaram os HAS da Base Aérea de Mudaysis, perto da fronteira da Arábia Saudita. Voando a uma altitude média e realizando ataques circulares e seqüênciais, lançaram bombas GBU-10 Paveway I (2.000 lb.), guiadas a laser, e que foram construídas pela Texas Instruments. Vinte e três HAS foram atingidos, alguns produzindo explosões espetaculares, o que indicava haver uma aeronave lá dentro.

 

Uma bomba GBU-10 Paveway

 

            A Força Aérea Iraquiana estava certa de que seus HAS protegeriam suas aeronaves de ataques aéreos, e que essas aeronaves seriam utilizadas posteriormente contra as forças terrestres. Entretanto, a facilidade com que esses HAS foram destruídos por bombas guiadas, levou esta esperança por água abaixo.

 

            Quatro dias após iniciado o conflito, as Forças de Coalizão já havia neutralizado diversas baterias de mísseis terra-ar, bem como varrido a Força Aérea Iraquiana dos ares. Os atacantes tinha naquele momento superioridade aérea sobre o Iraque. Os Tornados deixaram de lado os ataques a baixa altura, trocando-os pela média altura. A tática utilizada pelo F-111 contra Mudaysis, tornou-se um padrão. Os ataques passaram a ser realizados não com seis, mas com 20 ou 24 aeronaves de cada vez. Com o passar da guerra, verificou-se que os HAS não mais continham aviões (eles haviam sido levados para o Irã ou para aéreas distantes ao norte do Iraque) e deixaram de ser atacados.

 

 

Imagem aérea do aeródromo de Al Asad sob ataque de Tornados da RAF durante a Guerra do Golfo. Este é um típico exemplo de aeródromo iraquiano, com seis pistas de pouso. Observe um HAS na parte superior da imagem.

 

 

            No início de fevereiro, os Tornado da RAF voltaram a atacar os aeródromos, desta vez utilizando bombas LGB Laser Guided Bombs de 1.000 lb, sendo que os alvos eram iluminados pelos Buccaneers.

 

            A Força Aérea Iraquiana não conseguiu lançar ataque algum contra as forças terrestres, certamente por causa dos constantes ataques a seus aeródromos.

 

            Num futuro imediato, a Durandal e o Sistema JP223 serão ainda com a melhor arma para ataques às pistas de pouso e de rolamentos de aeródromos, em boa parte do mundo. No caso de se ter defesas antiaéreas muito fortes, esses ataques serão realizados à noite. Estuda-se a utilização do míssil  BAe Dynamics/Matra Storm Shadow como vetor de arma antipista, mas seu custo é muito elevado. Para se paralisar uma pista de pouso, faz-se o necessário pelo menos a utilização de 20 desses mísseis, a um custo unitário de 500 mil dólares, desde que eles atinjam o alvo de modo correto. É muito dinheiro.

 

Tornados GR.1 da RAF, operando a partir de Tabuk na Arábia Saudita, equipados com um par de bombas JP233, reabastecem-se em vôo a partir de um VC-10 do Esquadrão Nº 101, durante a Guerra do Golfo.

 

            Uma outra solução seria a utilização de uma tática em que, inicialmente, mísseis inteligentes destruíram as baterias antiaéreas e os mísseis dos aeródromos, para depois, sim, vir a “turma da demolição” e acabar com as pistas, utilizando apenas LGB.

 

            Está em estudo ainda a transformação de bombas Mk83 e Mk84 em outras com sistema de navegação inercial/posicionamento global (INS/GPS), que, após serem lançadas, dirigir-se-iam a alvos cujas coordenadas estão em sua memória e verificados pelo sistema inteligente.

 

           

 

Bombas Mk 83 e Mk 84

 

Relatórios indicam que o provável erro circular dessas bombas é de 13 m, valor esse ligeiramente superior as LGB, mas perfeitamente adequado aos ataques às pistas de pouso e rolamento. Essa nova bomba não requer iluminação do alvo, permitindo que a aeronave atacante lance diversas bombas, cada uma delas com seu alvo pré-designado, realizando apenas uma passagem. Ela também não é afetada por condições meteorológicas, nuvens etc., parâmetros esses indispensáveis as LGB. O mais importante ainda é seu preço: US$ 18 mil/unidade, quase o mesmo de uma LGB.

 

            Está previsto que essa arma entre em uso no final da década pelas Forças Armadas americanas, tornando-se a arma padrão de ataque. Além da bomba em si, estuda-se um novo tipo de explosivo, o CL-20, cujo poder é entre cinco a dez vezes maior do que o atualmente em uso, além de desenvolver maior energia, pressão e velocidade de detonação. No futuro teremos bombas cada vez menores, mas com capacidade explosiva cada vez maior.

 

Um F-15 lançando quatro bombas GBU-12