web space | free website | Business Hosting | Free Website Submission | shopping cart | php hosting

 

Lt. General Adolph Galland


 

     Pouco antes do nascer do Sol do dia 1º de setembro de 1939, minutos após os primeiros tiros da 2ª Guerra Mundial terem sido dados pelas tropas invasoras alemães, um piloto da Luftwaffe, com então 27 anos, lançava as bombas de seu Henschel 123 sobre posições da infantaria polonesa perto da cidade frnteiriça de Panki.  No dia 26 de abril de 1945, duas semanas antes do fim da guerra, o mesmo piloto,  voando sua última missão de guerra, a bordo de um Messerschmitt 262 - o primeiro caça a jato do mundo - abatia um bombardeiro americano B-26 Marauder, sobre o rio Danúbio. Nesses cinco anos e meio de guerra, aquele piloto chamado Adolf Galland, abateu 104 aeronaves aliadas, tornando-se um dos maiores ases da caça e um dos pouco a ter sobrevivido aos combates. Galland veio a falecer após longa doença na sua cidade natal de Oberwinter na Rhineland aos 83 anos de idade.

 

galland.jpg (16716 bytes)

Quando estudante na Wetphalia, Adolf Galland desenvolveu uma paixão pela aviação. Começou construindo pequenos modelos e mais tarde iniciou seus voos em planadores, que era a única forma legalmente permitida de se voar na Alemanha, devido ao Tratado de Versailles após o final da 1ª Guerra Mundial. No início dos ano 30, sua experiência com planadores o direcionou para a ainda ilegal Luftwaffe, na qual ele teve participação decisiva. Realizou missões de combate durante a Guerra Civil Espanhola, apoiando as forças rebeldes do General Francisco Franco. Durante a 2ª Guerra Mundial participou das Campanhas da Polonia, da França, da Batalha da Inglaterra e da Defesa Final do Reich. Ao longo da guerra, ele discordou muito das táticas e estretégias de seu comandante direto, Hermann Göring e também de Hitler, mas nunca expressou remorso por ter servido à máquina de guerra alemã que levou à morte milhões de pessoas. Seus objetivos eram apenas voar, lutar e vencer. Começou a guerra como 1º Tenente e a terminou como Tenente General comandando uma unidade de caças à jato. 

Em julho de 1944 era o Comandante da Caça da Luftwaffe, mas protestou quando Hitler ordenou que seus últimos 800 caças, quardados como reserva estratégica,  fossem empregados contra os aliados que invadiam a França, onde foram dizimados. "Nessa hora perdi a esperança no futuro", disse o General Galland em suas memórias, "The First and the Last" - traduzido para o português pela Editora Flamboyant como "Os últimos ases dos Messerschmitts". Um mês depois, acompanhado por Albert Speer, Ministro da Produção, foi até a Toca do Lobo na Prússia Ocidental, onde Speer, influenciado por Galland, tentou convencer Hitler de concentrar seus esforços na defesa aérea do Reich, com enfase no aumento da produção de caças. A Alemanha era, nessa época, atacada diariamente pelos bombardeios aliados, e enfurecido, Hitler ordenou que os dois se retirassem imediatamente de seu bunker e que Galland fosse destituido de seu cargo por insubordinação.

Capturado em maio de 1945, por forças americanas na Base Aérea de Salzburg, Austria, o General Galland foi em seguida transferido para uma base britânica, onde diversos oficiais o conheciam, por terem sido prisioneiros de guerra, e onde foi interrogado por um famoso piloto de Spitfire, o Wing Commander Robert Stanford-Truck, que em 1942 fora derrubado perto de Boulogne na França ocupada, e recebera atenções especiais de Galland, então um tenente-coronel. Retribuindo as atenções recebidas, o Wing Commander Stanford-Truck se lembra que forneceu a Galland cigarros (ele era um fumante inveterado, e mandava instalar em sues aviões um acendedor de cigarro !!!), vinho e simplesmente comversaram sobre aviação. O General Galland permaneceu dois anos como prisioneiro.

Adolf Joseph ferdinand Gqalland nasceu no dia 19 de março de 1912, em Westerholt, um dos três filhos de um inspetor de propriedade. Fez seus primeiros voos de planador em 1927, logo tornando-se um campeão e ganhando o direito de entrar no Centro de Treinamento da Lufthansa em Braunschweig. 

Em Fevereiro de 1935 entra para a Luftwaffe, ainda uma força secreta, disfarçado de piloto civil. Quando realizava demonstrações aéreas, sofreu um acidente, onde teve o nariz esmagado e o olho esquerdo danificado. Após três meses de tratamento médico, um relatório o classificava como "Impróprio para vôo". Mas ele não desistiu, e sofreu um segundo acidente, e após memorizar as letras da carta do exame de vista, auxiliado por um amigo oficial, foi novamente aprovado na Luftwaffe.  

Quando a Guerra Civil Espanhola começou no verão de 1936, o Tenente Galland foi voluntário para a Legião Condor, unidade semi-secreta criada por Hitler pra auxiliar Franco. Ele foi designado comandante de uma unidade de ultrapassados caças Henkel 51, e no ano seguinte realizou 300 missões contra as forças republicanas.

No verão de 1939, para seu espento, foi designado para a fronteira polaca, onde continuaria a voar o velho He 51, agora em missões de apoio aéreo aproximado. Voou cerca de 50 monótonas missões, e seis meses mais tarde teve seu sonho realizado, quando passou a voar o novo Me 109E.

No dia 12 de maio de 1940, sobre Liege, obteve suas primeiras vitórias, ao abater dois caças britânicos Hurricanes, pilotados por belgas. Duas semanas mais tarde ele abatia seu primeiro Spitfire sobre Dunquerque, durante aquela famosa evavuação. Na semana seguinte abateu dosi caças franceses Morane.

Em julho, participa da Batalha da Inglaterra, realizando duas ou três missões diárias escoltando bombardeiros e engajando combate com os caças britânicos Spitfires e Hyrricanes da RAF. Em agosto de 1940, durante o climax das batalhas sobre Londres, o Marechal Goring, em visita a uma base aérea na região do Canal da Mancha, critica os caçadores alemães por não conseguirem vencer os ingleses, e ao perguntar ao Tenente Galland o que sua unidade necessitava para cumprir a missão, recebe a seguinte resposta:
- Eu preciso de alguns Spitfires !!!, deixando Goering irado.

Por mais um ano, Galland continua a realizar missões sobre a França e a Grã-Bretanha, obtendo mais e mais vitórias. No Natal de 1941, é promovido a Major General, o mais jovem oficial general das forças armadas alemães, e recebe o título de General da Caça, e por isso para de voar. 

No outono de 1943, contrariando ordens superiores, decola com um FW-190, a partir de aeródromo próximo a Berlim, para interceptar uma formação de bomberdeiros americanos, derrubando um. Novamente, na primavera de 1944, realiza outra missão secreta perto de Magdeburg, abatendo um B-17, mas desta vez se vê perseguido por  quatro Mustangs P-51, mas consegue escapar.

Em dezembro de 1944, com o Exército Vermelho avançado sobre a Alemanha, Hitler deslocou todos os caças da Luftwaffe para apoiar sua última tentativa de ataque contar o exército americano nmas Ardennes, a Batalha de Bulge. Cerca de 300 pilotos são perdidos na fracassada operação. Essa não era a defesa final que o General Galland imaginava para o Terceiro Reich.

Embora tenha sido excluido do Alto Comando Alemão, o General Galland é autorizado a voar o novo caça a jato, Me-262. Esse bi-turbinado caça, alcançava a velocidade de 520 milhas por hora, sendo muito mais rápido que qualquer aeronave a pistão aliada. Mas a produçaõ desse caça fora adiada pelo próprio Hitler, que queria que a aeronave fosse utilizada como bombardeiro. Galland comentou:
- É a mesma coisa que chamar de cavalo uma vaca.
O Me-262 finalmente entro em operação como caça em outubro de 1944, obtendo sucesso contra os caças aliados. Em janeiro de 1945, Galland estava ocupado em organizar uma unidade especial de caça , a JG 44, que operaria a partir de Reim (base aérea próxima a Munique). Mas já era tarde. As aeronaves aliadas atacavam diariamente as bases alemães.

Após ser libertado em 1947, seguiu uma bem sucedida carreira como consultor aeronáutico internacional, inicialmente com a Força Aéra Argentina por sete anos, e depois com a nova Luftwaffe. Faleceu em 1966.

 

 

 

galland's bf109-e4.jpg (12013 bytes)

O Bf 109-E4 de Galland