web space | website hosting | Business Hosting Services | Free Website Submission | shopping cart | php hosting


Free Web Hosting - Watch Free Movies Online - Watch Free TV Online - Free Web Pages

Find the cheapest Local Gas Prices and Gas Stations in your neighborhood and surrounding area.

No Alvo

Uma análise dos ataques aéreos de precisão, realizados durante
a Guerra do Golfo

Os dados publicados nos relatórios indicam que as Forças Aérea da Coalizão, despejaram contra o Iraque e contra o Kuwait ocupado, durante os 43 dias de conflito, um total de 80.300 t de bombas. Dessas, 5.900 t eram consideradas "bombas inteligentes ou guiadas". Esses mesmos relatórios informam ainda que 25% das bombas normais e 90% das inteligentes atingiram os alvos.

Foram utilizados cerca de 25 tipos diferentes de sistemas de armas inteligentes, dos quais mais da metade eram do tipo laser. A eficácia destes sistemas pode ser bem entendida pelas declarações de Donald B. Rice, Secretário da Força Aérea (Estados Unidos), quando disse:

- Na 2ª Guerra Mundial, gastávamos 9.000 bombas para atingir um alvo do tamanho de um abrigo de aviões; no Vietnã gastávamos 300, e agora apenas uma.

As principais bombas guiadas à laser eram as GBU-12 e -10, versões melhoradas e modernizadas das conhecidas Mk 82 (500 lb) e Mk 84 (2.000 lb), que haviam sido desenvolvidas em 1968 para utilização na Guerra do Vietnã. Haviam ainda as GBU-22 e -24, versões modificadas e com dimensões reduzidas, que permitiam opção de escolher a trajetória final de queda (vertical para alvos como pistas de pouso e horizontal para pontes e estruturas similares), sendo que, como a GBU-24 não cabia no compartimento de bombas do F-117A, foi desenvolvida uma versão especial denominada GBU-27.

As bombas GBU-24 e -27 possuíam uma versão especial, para utilização contra abrigos subterrâneos, denominada I-2000. Entretanto, durante o conflito, constatou-se que o Iraque possuía abrigos tão profundos, que nem mesmo essas bombas foram capazes de destruí-los.

Um modelo, denominado GBU-28, com 5,7 m de comprimento e pesando 4.700 t, com capacidade de penetrar em 6 m de concreto ou 30 m de terreno normal, foi testada com relativo sucesso contra o Iraque no dia 27 de fevereiro de 1991, quando dois F-111 atacaram o complexo de Al Taji, o qual possuía diversos abrigos subterrâneos, ao norte de Bagdá, sendo inclusive divulgado pela impressa na época, que esse ataque teve por objetivo matar Saddan Hussein, mas foi uma mera coincidência sua presença nessa região durante o ataque.

Essa série de bombas paveway foi testada inicialmente contra alvos do tipo "posto de comando" e "pontes". Como resultado, das 55 pontes existentes na estrada que liga Bagdá a Basrah, 51 foram completamente destruídas. Mais tarde, durante o conflito, uma versão menor denominada GBU-12 foi utilizada com sucesso contra tanques iraquianos que estavam posicionadas em abrigos de areia.

Durante a guerra, os F-117A do 37th TFW (Tatical Fighter Wing) foram as únicas aeronaves a atacarem objetivos no centro de Bagdá com bombas GBU-10 e -27, com "cabeça ativa" do tipo Mk 84 e I-2000, bem como com bombas GBU-12. Avalia-se que 95% das GBU-27 atingiram os alvos, devido principalmente ao modo com que os F-117 realizaram os ataques (relativa baixa velocidade, grande altitude e utilizando avançado sistema de laser de aquisição de alvo), sem oposição de antiaérea evidentemente.

Os F-15 da 4th TFW utilizaram as GBU-10 e -12. Os Tornados da RAF, que carregavam normalmente três bombas, utilizavam uma variante especial baseada na Mk13/18 inglesa de 1.000 lb. A aquisição dos alvos era realizada pelos Buccaneers utilizando um sistema a laser, porém mas mais tarde foram instalados em seis Tornados um sistema semelhante, para dia e noite, utilizando imagens térmicas (infravermelhas).

A RAF utilizou mais de 1.000 dessas bombas, principalmente contra pontes. O ataque era realizado com o seguinte procedimento: uma aeronave atacava com três bombas uma das extremidades da ponte, seguida por outra aeronave atacando a outra extremidade. Sempre que possível, a aproximação era realizada ao longo do eixo do rio, minimizando assim o risco de danos às áreas indesejadas.

Os Jaguares do 11º Escadre de Chasse da Armée de l´Air usavam bombas Matra de 880 lb, marcando o alvo também com sistema de aquisição à laser. A Matra fabricava também um outro tipo de bomba com 2.200 lb, mas que não foi utilizada durante o conflito.

Os F-111 do 48th TFW usavam bombas do tipo GBU-12 e -24, portando normalmente quatro de cada vez, embora no início do conflito só carregassem duas, de modo a permitir a colocação de mísseis AIM-9 Sidewinders para autodefesa. A aquisição do alvo era feita com sistema à laser. Durante uma missão noturna no dia 13 de fevereiro, 46 F-111 utilizando 184 GBU-12, destruíram 132 veículos blindados iraquianos, dando uma taxa de acerto de 72%.

Seqüência de imagens gravadas de um míssil Matra, atingindo
um depósito de munição, após ser lançado por um Jaguar.

Durante todo o conflito, o 48th TFW, destruiu 920 veículos blindados iraquianos de um total de 6.100 destruídos durante a guerra. A unidade também destruiu 12 pontes e danificou seriamente 52. A técnica utilizada era a de se lançar bombas GBU-24 contra os pilares e fundações e de se utilizar as bombas guiadas por TV e infravermelho contra as áreas mais críticas e difíceis.

Uma outra bomba muito interessante utilizada no conflito era a GBU-15, de 2.450 lb, guiada por camera de TV ou a GBU-15 B com imagens infravermelhas. O sistema pode ser utilizado em ataques diretos (onde vê-se o alvo e dirige-se a bomba) ou indiretos (onde adquire-se o alvo à distância e lança-se a bomba ). A mais bem sucedida missão da guerra utilizando esta bomba, ocorreu na noite de 27 de janeiro, quando foram destruídas duas estações de bombeamento de petróleo em Mina Al Ahmadi. Nessa missão, utilizando sistema de infravermelho, bombas foram lançadas à 37 km de distância do alvo por um F-111 e guiadas por outro à 90 km. Imagens gravadas em vídeo registram a precisão do ataque, que mais tarde foi confirmado pela Resistência Kuwaiteana ao divulgar que as duas estações haviam paralisado o bombeamento de petróleo.

A transmissão e gravação das imagens por essas bombas é de fundamental importância para a análise posterior ao ataque como também para o piloto ou operador de sistema, durante a ação, permitindo uma rápida e eficaz correção dos procedimentos de ataque utilizados naquela missão. Foram utilizadas cerca de 100 dessas bombas durante a guerra.

Esse sistema de imagens infravermelhas também é utilizado no míssil AGM-65D, versão preferida do Maverick. Durante a guerra mais de 5.500 foram lançados pelas aeronaves americanas. Embora esses mísseis utilizem um sistema com restrições meteorológicas (não podem ver por entre as nuvens), eles podem ser utilizados à noite e mesmo durante o dia sob um pequeno fog ou poeira. Um míssil desses é avaliado em US$ 70.000, enquanto que os tanques T-72 que eles destruíam, o eram em US$ 1,3 milhões. O sistema permitia adquirir o alvo a uns 12 km, enquanto que o sistema convencional à TV só o permite à metade dessa distância.

Embora com limitações em alcance e capacidade de operar à noite, os sistemas guiados por cameras de TV proporcionam uma imagem mais clara do alvo do que os com infravermelho, e foram bastante utilizados na guerra, principalmente pelas aeronaves da US Navy, que inclusive utilizaram antigos mísseis Walleye, de 1967. A Navy utilizou ainda sete exemplares do recém introduzido AGM-84E, derivado do Harpoon, que combinava um sistema infravermelho de procura do alvo com imagens de TV. Em uma ocasião, dois desses mísseis foram lançados de um A-6E e guiados por um A-7E, para atingirem as comportas de uma hidroelétrica.

Imagens de um abrigo de aviões iraquianos, após ser atingido por um
ataque das Forças de Coalizão. Vê-se duas aeronaves Pilatus PC-9.

Um outro míssil que obteve muito sucesso, foi o francês AS.30L, utilizados pelos Jaguares da Armée de l´Air. Uns 60 foram lançados, com uma taxa altíssima de acerto e destruição dos alvos.

Os helicópteros AH-64 da US Army e AH-1J dos USMarines Corps, lançaram mais de 4.000 dos supersônicos AGM-114A/B Hellfire. Dois usos com sucesso desses mísseis podem ser creditados aos Apaches. O primeiro, foi quando oito deles, liderados por um USAF Sikorksy MH-53J, realizaram um ataque noturno a duas posições de radares no oeste do Iraque, destruindo-as e criando uma faixa livre, para que as aeronaves da força de coalizão pudessem realizar os primeiros ataques mais profundos ao Iraque. O segundo, no dia 2 de março, quando uma unidade de Apaches da 24th Mechanised Division, atacou uma coluna de veículos blindados da Guarda Republicana Iraquiana, a oeste de Basrah, destruindo 84 veículos, quatro sistemas de defesa aérea, oito peças de artilharia e 38 outros veículos, com a perda de apenas um dos helicópteros, sendo que a tripulação deste foi resgatada com vida.

O Hellfire foi utilizado mais tarde contra as sondas de petróleo, que os iraquianos haviam transformado em unidades de defesa aérea e ainda contra os tanques, sua finalidade original. Em uma ocasião, 107 foram lançados contra tanques, e 102 atingiram o alvo, com uma taxa de sucesso de 92%.

No que tange aos mísseis anti-radar, a principal arma utilizada era o AGM-88A, dos quais mais de 2.000 foram disparados. O sucesso desse míssil, pôde ser verificado, quando no 3º dia de guerra, aproximadamente 95% dos radares iraquianos estavam fora de ação e apenas 5 aeronaves americanas haviam sido derrubadas por mísseis terra-ar. As aeronaves da RAF utilizaram os mísseis ALARM, e mais de 100 foram lançados pelos Tornados.

Os Lynxes da Royal Navy utilizaram para seus ataques, os mísseis ar-superfície Sea Skuas, tendo sido lançados 19 com 15 acertos diretos. Os Panthers da Royal Saudi Navy, armados com mísseis AS.15TT, tiveram o crédito de cinco barcos patrulha iraquianos afundados.

Sumarizando, podemos dizer que na Guerra do Golfo, a utilização de novas armas guiadas e inteligentes, praticamente deixou sem proteção quase todos os tipos de alvo encontrados, desde que detectados. Entretanto, alguns como os lançadores de mísseis SCUDS, provaram ser extremamente difíceis de serem localizados. Como o reconhecimento aéreo continua sendo o elo fraco da cadeia, parece que ficou provado que elementos móveis (como as rampas dos SCUDS) é muito mais eficiente do que se gastar milhões em abrigos de concreto, que podem tornar-se alvos de ataques diretos.

Se o que se tem a defender são aeronaves estacionadas, e existe uma boa camuflagem natural por perto, os abrigos podem ou não ser utilizados, dependendo de estudo. Por outro lado, os abrigos, podem proporcionar um ambiente agradável de trabalho com temperatura e umidade controladas, além de proteção contra efeitos de armas químicas, até que a aeronave esteja pronta para decolar. Mesmo assim, ficou provado na Guerra do Golfo, que esses abrigos podem ser completamente destruídos, desde que se utilizem armas adequadas.