web space | website hosting | Web Hosting | Free Website Submission | shopping cart | php hosting

O North American P51 Mustang

 

O P51 é o mais famoso do três grandes caças americanos da 2ª Guerra Mundial: os outros dois são o P-38 e o P-47. Embora pareça estranho, mas esse caça associado ao poder aéreo americano na 2ª Guerra Mundial, teve suas especificações totalmente definidas pela RAF (Royal Air Force), através de uma ordem de compra feita pela British Purchasing Commission. Se não fosse seu fenomenal desempenho nos testes realizados, teria sido apenas mais uma aeronave exportada pelos Estados Unidos para a Inglaterra. Logo que as forças armadas americanas viram os resultados dos protótipos, imediatamente foram compelidos a utilizar o P-51 juntamente com os já encomendados P-38 e P-47

O P-51 detém o lugar de um dos melhores caças da 2ª Guerra Mundial, juntamente com seu projeto inovativo e um pouco de sorte. No que diz respeito ao projeto, ele era uma aeronave com baixo arrasto aerodinâmico e com asas de fluxo laminar, que permitiam altas velocidades sem problema de compressão (principalmente nos mergulhos), e na sorte, quando os britânicos tomaram uma decisão de utilizar o motor Rolls-Royce em vez do Allison, que fazia parte do projeto original do Mustang I. A combinação Mustang I/Merlin provou ter um desempenho tão espantoso, que dalí em diante, os Estados Unidos passaram a produzir Mustangs com motores Merlins construídos sob licença pela Packard.

Existe um ditado criado durante a 2ª Guerra Mundial que descreve bem o Mustang: O Mustang não faz o que o Sptifire faz, mas ele o faz sobre Berlim. Isso mostra claramente o raio de ação (2 000 milhas, uma distância equivalente a dos bombardeios) que o P-51 possuía. O Mustang não era o mais manobrável dos caças, mas naquele final de guerra, essa não era uma característica essencial - o que era requerido era velocidade. E o Mustanga a tinha - era mais rápido que quase todos os outros aviões, possuía uma razão de subida razoável e não sofria do problema de perda de controle por compressão, fato esse comum em seus oponentes. Quanto mais rápido estivesse voando, mais adaptado estava a seu ambiente - possuía flaps especialmente projetados, que podiam ser acionados a qualquer velocidade, uma estrutura que suportava altos G's, uma ótima aceleração em mergulho e um motor que não perdia potência mesmo a altas altitudes.


Coletânea de fotos, gravuras e modelo do P-51